Avançar para o conteúdo

Capela dos Carneiro

Retábulo de São João Baptista

Data: 1525 (capela e pintura central)
Retábulo: Segunda metade do século XVIII
Período/Estilo: Rococó (retábulo)
Artistas envolvidos:  Não se conhece o autor do risco nem o seu entalhador ou pintor/dourador do retábulo
Capela: círculo de Diogo de Castilho
Pintura: Atribuída a André de Padilha (século XVI)

Pertença da família Carneiro, esta capela foi instituída por João Carneiro, em 1525. A sua arquitectura, característica das elites do Renascimento, está atribuída ao circulo de Diogo de Castilho e repete em vários elementos (chave da abóbada, remate dos colunelos que ladeiam o arco) a figura de um cordeiro ou Agnus Dei como símbolo de São João Baptista e do apelido da família Carneiro.
O retábulo ajusta-se ao espaço acompanhando a elevação das nervuras da abóbada quinhentista. Seguindo-as ganha muito destaque pela grande elevação que atingem os seus ornatos de forte dinamismo rococó. Na sua base salienta-se a mesa de altar rectangular, ainda original, ao contrário da maioria dos restantes altares da Igreja.
Este retábulo reintegra uma pintura quinhentista do Baptismo de Cristo, atribuída a André de Padilha, realçando-a com o douramento integral a folha de ouro. Nesta representação, para além de João Baptista a baptizar Jesus, estará representado o retrato do doador ou a pessoa que terá encomendado a pintura, de seu nome João Carneiro, na parte lateral esquerda.

A utilização de cookies neste website tem como principal objetivo melhorar a sua experiência. Ao clicar em qualquer link nesta página está a dar-nos a permissão para usar cookies. Política de cookies